JEOVÁ-ROHÍ

A expressão hebraica significa: “O Senhor é o meu pastor”, retrato fiel do salmo 23 escrito pelo poeta e harpista hebreu chamado Davi.
Ele conhecia a Deus, não só como pastor, mas como o seu pastor.
É uma experiência muito agradável conhecer o Senhor como pastor. Assim Davi se expressa no salmo 23, reconhecendo o Senhor como seu pastor, não só em poesia, mas na vida cotidiana. Deus é apresentado não só como Senhor do salmo, mas como o pastor do salmo, que guia, alimenta, dessedenta, cura, faz repousar, unge, está presente, consola etc. Não é salutar saber que temos um pastor assim? É muito confortante recitar o salmo, contudo devemos nos submeter a Ele como ovelhas do seu pasto.
Quem tem uma experiência com o pastor Jesus, não se exaspera ante as lutas e as dificuldades desta vida.
Mesmo na tempestade que nos é comum nesta vida, sabemos que Ele está no controle de todas as coisas. Jesus disse: “Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas (Jo 10.11).
Li há algum tempo um artigo sobre o salmo 23 e o autor contava algo muito interessante e quero aqui transcrever. Diz: Conta-se que em uma reunião um poeta declamava vários salmos. Na plateia tinha um velho pregador.
O poeta querendo a participação improvisada deste pregador pediu que ele recitasse o salmo 23. O pregador disse que o faria mais que também queria ouvir o poeta declamando tal salmo.
O poeta então declamou de forma majestosa provocando aplausos efusivos da plateia. O pregador então com uma voz cansada, sem nenhuma técnica abriu sua boca e simplesmente falou com o coração.
Ao terminar nenhum aplauso, mas muitos choravam tal a força com que aquelas palavras saíram dele.
O poeta disse: “A diferença entre ele e eu é que eu apenas conheço o salmo do pastor, ele, por sua vez, conhece o pastor do salmo”.
Quão maravilhoso é conhecer o pastor do salmo! É muito bom e confortante fazer parte do rebanho, cujo pastor é o Senhor Jesus.
Ele é o bom pastor que deu a sua vida por nós, suas ovelhas, então podemos descansar Nele, pois é fiel com o seu rebanho.

Pr. Martim Alves da Silva (Presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Estado do Rio Grande do Norte (IEADERN) e da Convenção Estadual de Ministros da Assembleia de Deus no Estado do Rio Grande do Norte (CEMADERN).

TIRAR FÉRIAS EM FAMÍLIAS

A vida é vivida de momentos que traduzem e reflete a dinâmica da nossa alma, ou seja, nossa saúde física, mental, social e espiritual. Há um conceito errado de que quando trabalhamos initerruptamente sem parar é sinal de que estamos com muita saúde. “Um homem é um sucesso se pula da cama pela manhã, vai dormir à noite e, nesse meio tempo, faz o que gosta.” – Bob Dylan.
Eu amo e gosto muito do trabalho que exerço como profissional da área de saúde, porem, não gosto apenas de trabalhar. Gosto de passar tempo com a minha família, ficar sentado em uma praia e ver o mar, andar e viajar conhecendo outros lugares, comer, etc. Fazer o que gosta nesse meio tempo dá a razão pelo qual você ainda continua a batalhar.
O livro de Eclesiastes relata que tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem a sua ocasião. A corrida pelo sucesso, o prazer e a realização pessoal, tem levado as pessoas a uma ferrenha competição e agressividade nos negócios desta vida. Como consequência deste estilo de vida o ser humano esta stressado. Um verdadeiro desequilíbrio tem surgido no seio das famílias principalmente por questões trabalhistas e falta de planejamento de umas férias para refazer-se do stress do dia a dia.
Deus leva muito a sério o lazer, Gênesis 2.2 Diz: “no sétimo dia, Ele acabou de fazer todas as coisas e descansou de todo o trabalho que havia feito”. Na minha visão Deus não cansou e nem muito menos ficou estressado. Porem, Ele descansou para nos deixar o modelo que deveríamos seguir. Nós sim, necessitamos de um dia na semana para descansar e de férias anuais para mantermos a dinâmica dos relacionamentos equilibrados, pois tenho certeza que muitos conflitos familiares poderiam ser solucionados, ou até mesmo evitados, se a família passasse mais tempo junta e usasse este tempo para aprofundar seus relacionamentos. O lazer não depende necessariamente de termos dinheiro ou não. O interessante é reunir força de vontade para parar um pouco na corrida desenfreada do dia a dia, e racionalmente, priorizar e programar atividades com a nossa família e para nós mesmos.
O sábio Salomão entendeu que “nesta vida tudo o que a pessoa pode fazer é procurar ser feliz e viver o melhor que puder”. Eclesiastes 3.12. Dedicar tempo a Deus e à família é um grande investimento, que produz lucros eternos. Os dias passam rapidamente e, quando menos esperamos, nossos filhos já cresceram e estão nos deixando. Ai é quando percebemos que a nossa concentração total no trabalho nos distanciou da nossa esposa e dos nossos filhos e há tempo que perdemos aquele companheirismo de quando começamos. Deus idealizou a família para ser à base da nossa felicidade pessoal, da nossa realização.
De alguma forma algo acaba interferindo na qualidade de vida e em todas as áreas, desde a financeira ate a espiritual, passando pelo emocional, relacional e física. Deus não planejou que vivêssemos uma vida tão estressada. A Bíblia relata em I Reis 19 a história de um profeta chamado Elias, homem de Deus. Porém ele se encontrava estressado, cansado, deprimido e longe da família. Deus tratou de seu esgotamento providenciando comida, descanso e mudança de vida. Enquanto ele esteve estressado, o inimigo de sua vida tirou vantagem dele. Mas quando estava alimentado e descansado Deus lhe deu uma nova perspectiva de vida.
Depois de um ano de trabalho é hora das férias. Férias significa pensar em descanso, curtir a família, os amigos, viajar, e esquecer a rotina. Férias é sinônimo de recarregar as energias, de relaxar, de estar com você mesmo, de estar com a família, de interagir com os filhos, de fazer o que você tem vontade. Mas, é importante não ficar preso a horários, padrões de comportamentos, porque estas regras são necessárias no trabalho e não para as férias.
Existe um pensamento Budista que retrata muito bem aquelas pessoas que vivem para o trabalho e nunca se lembram de valorizar os benefícios de umas férias: “Os homens que perdem a saúde para juntar dinheiro e depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde; Por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem o presente, de tal forma que acabam por nem viver no presente nem no futuro; Vivem como se nunca fossem morrer e morrem como se nunca tivessem vivido”.
O descanso das férias aumenta a produtividade do funcionário, melhora a qualidade do trabalho, volta mais criativo, as ideias fluem melhor, mais motivado á trabalhar, porque se as férias forem boas e a pessoa está satisfeita por conseguir fazer tudo o que queria e tinha vontade, ela vai trabalhar o ano todo com garra para fazer de suas próximas férias ainda melhor. Além disso, vitaliza a saúde física, emocional, e é um momento de busca de um estado espiritual e renovação de esperanças. Quem não consegue tirar férias já está com uma dificuldade muito grande, está sempre em estado de alta pressão, tem estresse em nível mais elevado, maior probabilidade de ter depressão, ansiedade, por isso é fundamental dar uma parada, tirar um tempo só para você, até mesmo para refletir o que você conseguiu realizar e conquistou durante o ano.
Amados, desejo que te vá bem em todas as coisas e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma. III João 2.

Deus te abençoe…

Pr. Elumar Pereira  (Diretor do Departamento da Família da IEADEM)

LEALDADE X DESLEALDADE – Parte 2

2. Ofensa. As pessoas começam a trair e odiar umas às outras quando são ofendidas. Provérbios 18:19 “O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte; e as contendas são como ferrolhos de um palácio”. Quando você analisa a linha de tempo da vida de Absalão é fácil perceber o nascimento de uma frustração alimentada por uma ofensa. Ou seja, ambiente propicio para quebra de confiança. Como consequência direta o indivíduo se fecha hermeticamente em sua dor e se nutre com sua ferida.
Os ferrolhos da magoa trancam as entradas do coração. O oxigênio dos relacionamentos saudáveis e aprendizados construtivos não circularam dentro do palácio da alma; assim, o que existia de bom, o que havia de virtude começou a definhar, morrer.
O vigor, o brilho do príncipe deu lugar as trevas. É assim que a ofensa gera deslealdade. Absalão inicia sua trajetória de deslealdade a partir da atitude de seu irmão Amnon em estuprar Tamar, que era sua irmã. Isto mexeu com seu coração. Para piorar a situação, Davi o Rei, pai de Tamar, Amnon e Absalão, não puniu conforme a lei, o Amnon. Isto deixou Absalão transtornado. Cada um foi enviado para um canto da nação para as coisas se acalmarem.
No final, depois de um tempo, quando parecia que tudo estava bem, o príncipe prepara a morte do seu irmão Amnon e consuma o fato. O que podemos aprender com esta terrível trama é que “Se você deixar a ofensa se instalar, ela vai destruir a sua lealdade”. Todo caso de deslealdade, tem uma raiz de ofensa presente. Penso que a melhor maneira de tratar esta situação é promover a liberação de perdão.
Se tem alguém na sua equipe com ofensa na alma, ou até mesmo você nesta condição, quero te dizer que tem como resolver isto antes que se torne um problema maior com efeitos mais profundos e duradouros. Libere perdão.
O perdão pode sarar a ferida e quebrar o ciclo da infidelidade. Houveram danos reais que precisam ser sanados. O Perdão proporciona o reconhecimento dos erros cometidos e como o próprio nome sugere, você libera suas perdas; sabemos de nossas limitações e possibilidades reais de falharmos em algo um com os outros, por isto mais uma razão para termos a pratica do perdão em nossa lista de tarefas diárias.
Caso contrário o lixo se acumula, magoas, ressentimentos, decepções, vão encharcando a alma e em um determinado momento “estoura” o balão, porque não se suporta tamanha pressão. Dentro do nosso tema Lealdade, corrigir a situação de ofensa, salvara do estopim da deslealdade.
3. Indiferença e passividade. Vamos seguir no entendimento do processo de desenvolvimento da deslealdade no coração humano. Absalão ficou dois anos aparentemente conformado, mas estava com seu coração ainda inflamado (2 Sam 13:22).
Meus amados, o coração estava sendo fermentado. Fico pensando como as lembranças da situação vivida anteriormente por Absalão o atormentavam, mantendo a chama do ressentimento acessa. Lá no fundo do coração, no profundo de sua mente, seus pensamentos retroalimentavam uma magoa. Quando deixamos a ofensa seguir e não liberamos perdão, caminhamos para deslealdade por meio da indiferença. Não participamos, não nos envolvemos, não vestimos a camisa, fechamos o coração; a alma seca. Parece até que as coisas já estão resolvidas; mas não estão. Sabe aquela definição de “morno”? Nem quente, nem frio. Este é o termômetro da indiferença. O tal do “tanto faz”. Bem… este pode ser um sinalizar de um processo de deslealde em pleno desenvolvimento; porque é um sintoma que as coisas não estão bem.
Quando temos uma situação como esta, precisamos de muito discernimento espiritual para identificar o que está acontecendo; pois aparentemente está tudo normal. Na obra de Deus este é mais um motivo de mantermos uma vida de oração e dependência de Deus. Quando os propósitos são dúbios, temos um conflito emitente.
Acredito que os dons espirituais distribuídos a igreja visam auxiliar cenários iguais a estes; onde não é possível perceber “de cara”, precisa de um tempo ou até mesmo muita atenção para ver o que está acontecendo (I Co 12). A indiferença pode ter diversos catalizadores ou seja; não existe só uma razão para ser ou estar indiferente. De toda forma é uma situação mais preocupante ainda quando o agente fomentador desta indiferença é uma ofensa não perdoada que abriu caminho para uma deslealdade em plena consolidação que por sua vez está gerando uma postura indiferente para com sua liderança.

Continua…

Pr. Wendell Miranda (2° vice-presidente da IEADEM, Superintendente do Sistema de Comunicação da AD em Mossoró)

LEALDADE X DESLEALDADE – Parte 1

“Além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel.” I Cor 4:2

Queridos líderes, obreiros, servos de Cristo que labutam na seara do Senhor. Este artigo foi inspirado na leitura do livro com o mesmo tema escrito pelo pastor Dag Heward-Mills.
A lealdade é apresentada como uma característica forte na formação de um obreiro no Reino de Deus.
Espero que possamos pensar juntos sobre esta qualidade importante e necessária em todos os níveis. Tanto no sentido de nossa lealdade vertical (Deus e sua palavra) como no horizontal (Nossos relacionamentos; isto inclui nossos líderes, nossos liderados e perfeitamente aplicável em nossa família, trabalho…).
Analisando como igreja, vamos focar em nossa relação ministerial; o que envolve o serviço prestado no Reino de Deus e a igreja local, isto é o corpo de Cristo.
Este ponto é fundamental: Somos corpo e corpo de Cristo. Se fazemos parte do corpo então a virtude da lealdade irá contribuir para unidade e fortalecimento da igreja bem como para a expansão do evangelho e edificação dos santos.
A lealdade corresponde à maturidade emocional, enquanto a fidelidade é fruto de uma vontade de cumprir normas e compromissos assumidos.
A lealdade é uma questão moral, e é uma das bases para um relacionamento saudável entre duas ou mais pessoas. Reforço que como princípio de caráter cristão nossa lealdade como obreiros deve estar aplicada em nossa relação com Deus e na relação com nossos líderes e liderados.
As provas, desafios, lutas e adversidades são enfrentadas, superadas e vencidas de forma mais ampla e consistente onde existe a lealdade. No popular o leal está literalmente junto do seu líder para apoiar, se envolver, comprometer, dedicar, participar, aconselhar, sugerir, ou seja, veste a camisa. Isto significa estar na mesma visão e propósito, dentro do que nosso Senhor chamou e vocacionou a cada um.
Lealdade não é bajulação. Ser leal não é conivência com o pecado ou ainda mais, com práticas nocivas e distorcidas da verdade. Ser leal é estar alinhado com a missão e visão de sua liderança, uma vez que a liderança está igualmente alinhada com os princípios da palavra de Deus. Esta é a equação da lealdade cristã e ministerial.
O leal percebe e compreende seu papel dentro do corpo e assim desenvolve as ações em convergência com o cabeça que é Cristo. Quando os dons e ministérios foram distribuídos para edificação da igreja, compreendemos que a referida diversidade de operações do Espirito Santo de Deus estão de acordo com o papel que Cristo entregou para cada um desempenhar (I Co 12:4-11).
Alguns serão pastores, outros evangelistas, mestres e assim por diante. E cada um deve permanecer na vocação que foi chamado. (Efésios 4:11/ 1 Co 12:28) Quando agimos fora desta ótica bíblica, nos perdemos, nos equivocamos, erramos e promovemos a deslealdade. Como a obra de Deus necessita de obreiros leais. Como a obra de Deus sofre com os desleais. Quem é Leal é fiel. Isto exige de cada um a disposição em andar junto, em harmonia e sintonia; é assim que projetos são desenvolvidos de forma equilibrada e consistente.
O contrário é a Deslealdade. Neste caso isto prejudica muito o bom andamento da obra e a saúde do corpo de Cristo. Ela destrói as virtudes e ações desenvolvidas no trabalho. Como obra da carne a deslealdade esta vinculada ao partidarismo, inveja, dissenção, ciúme, ira, ódio e coisas semelhantes a estas… resultado direto da natureza humana caída e que necessidade de restauração através do novo nascimento em Cristo Jesus (Gal 5:20,21).
No aspecto ministerial o caminho da deslealdade segue estágios perceptíveis até alcançar uma concretização plena. Perceber como nasce, cresce e desenvolve esta atitude nociva ao corpo de Cristo , pode auxiliar a cada líder e liderado a combater este erro e auxiliar os que desejam redirecionar suas atitudes , se arrependendo da sua prática.
Para melhor compreensão de como a deslealdade age dentro de cada coração vejamos os seguintes estágios desta semente maligna.
Estágios da Deslealdade:
1. Espírito independente. No livro de Samuel temos a narrativa de um acontecimento que mostra as ações de Joabe em fazer diferente do que lhe foi orientado. Davi estava promovendo a paz e unificação do seu reino e decidiu perdoar Abner por todo período de guerra e conflito que existiu entre eles. Porém Joabe, capitão de Davi, não concordou com este perdão e preparou uma armadilha e matou Abner. Esta atitude de Joabe de assassinar Abner (2 Samuel 3.26,27) foi desleal com seu líder e com seu próximo. Quando estamos debaixo de liderança, precisamos aprender a obedecer nossos líderes. Com quem está o cajado (ferramenta de apoio ao pastor), está a condução do rebanho. A autoridade de condução do rebanho está fundamentada na palavra de Deus (Hb 13:17); é ela que orienta desta forma. É a palavra de Deus que traz a autoridade de governo para liderar. Se o líder segue os princípios da palavra, ele tem autoridade em sua liderança. É importante também compreender que existem muitas formas de organizar, desenvolver e executar as atividades na obra de Deus, e assim se faz necessário ter o coração humilde e aceitar sermos pastoreados e liderados. Existem atividades que o líder pode (muitas vezes deve) ouvir sugestões e ideias (isto é muito bom), existem outras situações que o líder esta seguindo um entendimento espiritual, como sendo uma direção de Deus para aquele cenário; já existem casos que ele precisa decidir fundamentado em sua experiência e vivência; isto quer dizer que existem muitas variáveis a serem levadas em consideração. Além disto, quando se trata da obra de Deus, todas estas decisões e percepções estão dentro da perspectiva bíblica, pois é o fundamento de nossa liderança Cristã. Por isto devemos ter cautela para que a discordância de uma metodologia ou ação não acabe gerando uma insatisfação dentro do nosso coração e assim promova sentimentos e atitudes desleais para com nossos líderes. Não se comporte como Joabe (nesta situação); ele foi desleal com Davi. E não parou aí. No caso de Absalão, Joabe de novo fez diferente do que foi orientado. Ele matou Absalão contrariando Davi (2 Samuel 18.14). Meus queridos agir de forma independente (dentro do contexto que estamos abordando) é agir sem o sentimento de pertencimento. É presunção e orgulho. Como obreiros, nesta seara, somos interdependentes. Quando deixamos que nosso ego dirija nosso comportamento, a conduta será igual a Joabe. Este é o conceito bíblico de corpo: Fazemos parte (I Co 12:27). Este é um assunto que acaba nos levando a análise de outros princípios que merecem ser estudados, como: Confiança, vida cristã, misericórdia, integridade, autoridade e outros tantos. Mas vou resumir, não achando que já esgotamos tudo, mas que apenas iniciamos uma reflexão, a saber: Pertencemos uns aos outros em Cristo e assim nos tratamos como irmãos, membros na mesma família. Temos nossos líderes e pastores e devemos estar conectados e submissos a sua liderança. Quem não sabe ser liderado, dificilmente saberá liderar.

Continua…

Pr. Wendell Miranda (2° vice-presidente da IEADEM, Superintendente do Sistema de Comunicação da AD em Mossoró)

Ensinamentos sobre a justiça de José

Em Mt. 1.19, o evangelista traz a seguinte narrativa: “Então José, seu marido, como era justo, e não a queria infamar, intentou deixa-la secretamente” (ARF). De acordo com esse texto, diante da pretensa infidelidade de Maria, o aquele homem justo quis preservá-la, e planejou se divorciar dela sem causa alardes. No entanto, ao atentar para o grego do Novo Testamento, identificamos nesse versículo a presença de dois particípios: diakaios on (sendo justo) e me telon (não querendo), que associados aos verbos principais – difamar (paradeigmatizo) – e deixar (apolluo) – nos direcionam para um significado que vai além do que se costuma traduzir nas versões bíblicas em português.
Isso porque a maioria dos tradutores tendem a perceber casualidade nos particípios, ou seja, José agiu de tal modo porque era justo e não queria tornar o caso público, denunciando uma suposta imoralidade de Maria. Mas essa interpretação não se aplica à passagem, considerando que tanto a lei romana, quanto tradição judaica exigiam uma denúncia da infidelidade. Sendo assim, o primeiro particípio – diakaios on – deve ser tomado como um concessivo, e não como casualidade. De modo que uma tradução mais apropriada diria que: “ainda que fosse justo, José decidiu…”. Por conseguinte, ele não a denunciou apenas porque era justo, mas também porque não quis denegrir a imagem de Maria.
É preciso também, no contexto da passagem, e da própria cultura judaica e romana, compreender o significado do conceito de justiça, dikaiosune em grego. Ainda que seja verdade que José poderia expor Maria à opinião pública, por causa da concepção de justiça tradicionalmente aceita à época, mediante presença do particípio concessivo no texto, concluímos que ele preferiu agir de maneira diferente, a fim de preservar Maria da ignomínia pública. Mas é importante considerar, com base na análise linguística, que o particípio – dikaios on – trata-se de um concessivo, não propriamente um causativo.
Além disso, é preciso atentar também para o conceito de justiça – dikaiosine – em Mateus, que tem uma especificidade evangélica. Este se coaduna à redefinição dada por Jesus, que exige que seus seguidores a excedem, indo além do que era exigido pelos escribas e fariseus (Mt. 5.20). Nesse Evangelho fica evidente que para o Senhor misericórdia e compaixão não estão muito distantes da justiça. Por esse motivo, aqueles que seguem a Cristo devem suplantar a justiça meramente humana, não apenas cumprindo suas exigências legais, indo muito mais além delas, demonstrando graça, amor e misericórdia.
A esse respeito, devemos aprender, a partir do exemplo de José, e principalmente dos ensinamentos de Jesus, que Deus enfatiza a importância da misericórdia, ao invés de sacrifício (Mt. 9.13; 12.7), dai sua preferência pelo publicanos e pecadores. Com base nesse argumento, compreendemos, com base em Mt. 1.19, que José agiu de maneira diferente do tipo de justiça que se esperava na tradição religiosa. Isso o levou a tomar sua decisão com base em um modelo de retidão que viria a ser exigido por Jesus, a todos aqueles e aquelas que se apresentam como Seus seguidores. Os súditos do Reino de Cristo são bem-aventurados, pois esses têm “fome e sede de justiça (Mt. 5.6).

Ev. José Roberto A. Barbosa (2º Secretário da Assembleia de Deus em Mossoró-RN e professor da EBD)

PORQUE DEVEMOS PERDOAR

A palavra misericórdia, à luz da Bíblia, fala da bondade, amor e graça de Deus para com o ser humano, manifesto no perdão, na proteção, no auxilio, no atendimento e súplicas. Essa disposição de Deus se manifesta desde a criação e acompanhará seu povo até o final dos tempos.
A Bíblia nos diz que certa ocasião o Senhor Jesus estava ensinando sobre o bom relacionamento entre os irmãos no que se refere ao perdão; e o apóstolo Pedro, homem de caráter impulsivo, indagou-lhe quantas vezes deveria perdoar a seu irmão, se sete vezes.
Dizem os estudiosos que tinham razões para mencionar sete vezes, a luz dos ensinamentos rabínicos. A doutrina dos rabis daquele tempo ensinava que uma pessoa devia perdoar no máximo três vezes. Vejam o que diz: “Se um homem comete um erro uma vez, deve perdoá-lo; na segunda vez, deve perdoá-lo; e também na terceira vez; porém, não perdoar na quarta vez.
Esses rabis tinham uma interpretação errada de um texto do primeiro capítulo de Amós. Ali Deus fala da condenação das nações por três transgressões ou por quatro. Dessa expressão, os sábios e escribas judeus, concluíram que o perdão de Deus ia somente até três transgressões. E, sendo assim, o homem não poderia ser mais misericordioso do que Deus.
Pedro, conhecedor da misericórdia do Senhor, tomou o número sugerido pelos rabis, dobrou-o e acrescentou mais um, e perguntou sobre perdoar por sete vezes. Naturalmente, ele pensou que estava sendo muito generoso. Mas, Jesus lhe disse que deveria perdoar setenta vezes sete. O Senhor sabia que depois que perdoássemos alguém 490 vezes, teríamos adquirido o hábito de perdoar.
Estava mostrando a Pedro que, para Deus, não há limite de perdão – que Ele nos perdoará sempre que o buscarmos de coração.
Depois, Jesus contou uma história acerca de um certo servo que foi perdoado em uma grande dívida. Esse homem devia ao outro dez mil talentos. O talento de ouro ou prata era uma moeda romana de grande valor.
Mas esse servo não possuía bens, não tinha nada com que pagar a dívida. Assim sendo, ele e sua família seriam vendidos como escravos. Nós também pecamos contra Deus. E creio que é impossível calcularmos a imensidão e a hediondez de nosso pecado. Acho mesmo que Jesus estava tentando mostrar-nos que nossos pecados são mais ou menos como a terrível dívida desse homem – incalculáveis!
Mas, o senhor daquele servo era homem compassivo e cheio de misericórdia. Tinha amor no coração. O devedor não possuía recursos próprios, assim, como não os possui o pecador.
O credor da parábola moveu-se de compaixão. Soltou o devedor e perdoou-lhe toda a dívida – uma quantia fabulosa. É assim, também, que nosso grande e misericordioso Deus está disposto a fazer conosco e perdoar-nos.
Mas, depois que aquele servo foi perdoado, encontrou-se com outra pessoa que lhe devia uma quantia irrisória – cem denários. Esse não usou de misericórdia e sufocando-o exigia-lhe que pagasse a dívida imediatamente.
Mas, esse devedor também não tinha com que pagar, então o outro lançou-o na prisão.
Se nós já fomos perdoados em incalculável dívida de pecados, devemos ter uma constante atitude de perdão. Foi isso que Jesus quis ensinar ao contar essa história.
Felizmente, os amigos do homem que fora preso, tiveram compaixão dele, e procuraram o senhor daquele servo e lhe narraram o sucedido. O senhor ficou grandemente irado, e entregou seu servo aos torturadores, para que ele pagasse tudo que lhe devia. E, depois, Jesus acrescentou: “Assim também meu Pai celeste vos fará se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão” (Mt 18.35).
O perdão tem que partir do coração, senão não será perdão. Essa verdade é ensinada em todo o Novo Testamento. Cada pessoa tem que perdoar aos outros para que seja perdoada. Nós lemos na Bíblia o seguinte: “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”. Isso implica em que aqueles que não forem misericordiosos não receberão misericórdia. O homem que não consegue perdoar o seu próximo, não deve esperar que Deus o perdoe, pois, assim, o Senhor nos ensinou a orar dizendo: “perdoa-nos assim como nós perdoamos…” Que este ano novo seja o ano do perdão entre marido e mulher, pais e filhos, entre os irmãos, empregados e patrões, amigos e colegas de trabalho, enfim, entre aqueles que são alcançados com a misericórdia de Deus. Vivamos, portanto, a plenitude da bênção de Deus que enriquece e não acrescenta dores (Pv 10.22).

Francisco Vicente (1º Vice-Presidente da AD em Mossoró e diretor do Departamento de Missões)

Página 1 de 4112345...102030...Última »

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ – IEADEM

Av. Dix-Neuf Rosado, 155, Centro – Mossoró-RN
CEP 59.610-280 | Fone: (84) 3321-5721
E-mail: contato@admossoro.com.br


© 2018 - Assembleia de Deus em Mossoró. Todos os Direitos Reservados