AMÁVEL

Dando continuidade à lista de qualificações e pré-requisitos exigidos dos candidatos ao ministério pastoral, apóstolo Paulo declara: “É necessário, pois, que o bispo […] não deve ser apegado ao vinho, nem violento, mas sim amável…” (1 Tm 3.2-3, NVI). Neste versículo, a palavra “amável” é a tradução do vocábulo grego “epieikes”, o qual ocorre em cinco versículos da Bíblia (Fp 4.5; 1 Tm 3.3; Tt 3.2; Tg 3.17; 1 Pe 2.18). Seu significado denota a qualidade de uma pessoa amável, gentil, suave, conveniente, decente e decorosa. Como em 1 Tm 3.3 “amável” aparece em contraste com “violento”, certamente o significado de “epieikes”, neste versículo, está mais relacionado à qualidade do obreiro em ser amável, gentil e suave no trato com as pessoas.
Enquanto a pessoa violenta é movida por um sentimento iracundo que a impulsiona a agir mediante o uso da força bruta, a pessoa amável é estimulada pelo sentimento de amor ao próximo, que a leva a tratar os outros com amabilidade, gentileza, tolerância, delicadeza e cordialidade. A estupidez e a grosseria não fazem parte do caráter de quem nasceu de novo. Uma pessoa que não é amável tem o seu relacionamento com o próximo marcado por ciúme, invejas, ambições egoístas, contendas de palavras, inimizades, iras, dissensões (Gl 5.20-21) e violência. Por outro lado, a pessoa amável tem pré-disposição para tratar as pessoas com gentileza e cordialidade.
O cristão deve ser sempre humilde e amável, tolerando pacientemente uns aos outros em amor (Ef 4.2, NVT). Como cristãos, devemos nos livrar de todo tipo de raiva, ira e maldade (Ef 4.31), e sermos “…bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo” (Ef 4.32, NVI). No relacionamento interpessoal, é necessário compaixão, bondade, humildade, mansidão, paciência, compreensão e perdão (Cl 3.12-13).
Independentemente de o cristão ser pastor, ou não, ele tem a obrigação de amar o próximo como a si mesmo (Mc 12.31) e de tratar as pessoas com amabilidade, a qual é uma das virtudes do fruto do Espírito (Gl 5.22, NVI). Aos Filipenses, Paulo disse: “Que todos vejam que vocês são amáveis em tudo que fazem…” (Fp 4.5, NVT). Tito foi orientado a ensinar às igrejas de Creta para que os irmãos sempre estivessem prontos a fazerem tudo o que é bom e a não caluniarem a ninguém, mas que fossem pacíficos e amáveis, mostrando sempre verdadeira mansidão para com todos os homens (Tt 3.1-2).
Em relação aos pastores, especificamente, Paulo disse que “O servo do Senhor não deve andar brigando, mas deve tratar todos com educação…” (2 Tm 2.24, NTLH). No exercício da função pastoral, muitas vezes o obreiro precisa tratar com pessoas surpreendidas nalguma ofensa. Nessas situações, é necessário seguir o conselho bíblico que diz: “Irmãos, se alguém for surpreendido em alguma falta, vocês, que são espirituais, restaurem essa pessoa com espírito de brandura…” (Gl 6.1). Só um pastor amável e gentil trata os faltosos com espírito de brandura.
O pastor amável sabe lidar com suas ovelhas, seguindo o exemplo de Cristo, o nosso Supremo Pastor (1 Pe 5.4) que dá a sua vida pelas suas ovelhas (Jo 10.11,15b). Pedro recomenda a todos os pastores para que eles “não abusem de sua autoridade com aqueles que foram colocados sob seus cuidados, mas guiem-nos com seu bom exemplo” (1 Pe 5.3, NVT). O pastor que não é amável no trato com suas ovelhas, termina afugentando, dispersando e destruindo as ovelhas (Jr 23.1-2). Esse tipo de pastor, ao invés de cuidar e apascentar o rebanho (1 Pe 5.2), acaba “a pau sentando” as ovelhas e ferindo o rebanho. O pastor precisa de sabedoria de Deus para apascentar as ovelhas que estão aos seus cuidados. Ao contrário da sabedoria que brota da natureza humana, a qual é mundana e pode ser influenciada pelos demônios (Tg 3.15), “…a sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; depois, pacífica, amável, compreensiva, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial e sincera” (Tg 3.17, NVI). É com essa sabedoria amável que o pastor deve guiar o rebanho.
Assim a Bíblia descreve as atitudes dos pastores que não são amáveis e gentis no trato com as ovelhas: “Vocês não fortaleceram as fracas, não curaram as doentes, não enfaixaram as quebradas, não trouxeram de volta as desgarradas e não buscaram as perdidas, mas dominam sobre elas com força e tirania” (Ez 34.4, NAA). No Novo Testamento, quem exerceu dominação sobre o rebanho com tirania, dureza e brutalidade, foi o pastor Diótrefes. Ele chegou até a expulsar da igreja os irmãos que praticaram a hospitalidade em favor dos obreiros itinerantes enviados pelo apóstolo João (3 Jo 1.9-10).
Que Deus nos livre de pastores sem amor e que, por isso, são tiranos, indelicados, descorteses e estúpidos. Mas que Deus continue sempre nos dando pastores que amam seus rebanhos e que, por isso, tratam as ovelhas de Cristo e as demais pessoas com amabilidade, gentileza, brandura, suavidade, educação e cordialidade.

Ev. Fábio Henrique (Bacharel em Teologia, 1º Secretário da IEADEM e professor da EBD e do CETADEM)

Voltar Para Página Anterior

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ – IEADEM

Av. Dix-Neuf Rosado, 155, Centro – Mossoró-RN
CEP 59.610-280 | Fone: (84) 3321-5721
E-mail: contato@admossoro.com.br


© 2018 - Assembleia de Deus em Mossoró. Todos os Direitos Reservados