AGORA SOU CASADO

“Portanto, deixará o homem seu pai e sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e será ambos uma só carne”(Gênesis 2.24)

Entendemos que a maior crise existencial que a maioria dos lares está enfrentando no momento, é a falta de compreensão, por parte do marido e da mulher em relação ao papel que deve ser assumido no contexto da nova realidade de casados e seu novo lar.
Não está sendo levada a sério por muitos, a importância das mudanças necessárias que deve haver nessa transição entre ser solteiro e casado.
São cônjuges que ainda não se deram conta que deve deixar um estilo de vida que viviam antes como solteiros e que agora precisa se adaptar ao estilo de casados para sempre; um novo estilo de vida revestido de uma roupagem nova de compromissos mútuos e permanentes.
Por que tudo isto requer que façamos mudanças tão radicais? Porque precisamos construir uma nova família com alguém que vem de um contexto completamente diferente.
Quando casamos levamos uma enorme bagagem adquirida ao longo da vida. São hábitos, vícios, costumes, emoções e até vida espiritual, todas moldadas pelos padrões impostos.
É na família onde acabamos moldando nossa maneira de pensar e agir. É nela também que aprendemos padrões que internalizamos como valores que determinam nosso comportamento.
Não temos como fugir da realidade imposta pela herança herdada de nossa família.
Sabemos de antemão que as mudanças dessa transição de solteiro para casados são antes de tudo uma ordenança de Deus. “portanto deixará o homem pai e mãe…” Gênesis 2.24. E o casamento vem exatamente revelar a necessidade dessas mudanças profundas para que haja ajustamento com o cônjuge de maneira tranquila e harmoniosa.
Não posso e nem devo diante da responsabilidade de casado estar agindo com meu cônjuge de maneira egoísta e irresponsável e com atitudes infantis. Até porque casamento não é para crianças e sim para pessoas adultas que sabem o que querem.
O casal que leva Deus a sério e o casamento, pergunta: “Senhor, como posso ser o cônjuge que Tu queres que eu seja?” Ambos devem chegar à presença de Deus e declararem que querem saber a vontade Dele, para que o obedeçam.
A presença de Deus no casamento torna possíveis aos cônjuges, apesar de ser imperfeitos, se tornarem forte frente às dificuldades. Eclesiastes 4.12 nos dizem: “… e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.”.
Ainda em Gênesis 2.25 continua falando sobre a intimidade que deve existir entre o casal como norteador desse processo de mudança. “E ambos estavam nus, o homem e sua mulher, e não se envergonhavam”. Esta intimidade deve existir em três níveis importantes para o equilíbrio saudável, seja ele na nudez tanto física, como emocional e espiritual.
Porque tudo que acumulamos durante nossa vida, com a vivência intima vem à tona, e o que parecia tão distante, com a familiaridade do dia a dia há o encurtamento dessas distancia.
Então, nossos defeitos e virtudes começam a fazer parte da rotina diária. O escritor; Lês Parrott afirma que: quando falta introspecção na vida a dois, o casal tem um problema chamado “eu cego”. O “eu cego” é exatamente aquilo que o outro sabe sobre você e você não sabe. E para aceitar que o outro tenha essa liberdade de nos mostrar onde estamos errando, precisamos de humildade e serenidade.
Em Gênesis 3.7 já mostra a situação do casal quando não tem mais condições de estarem nus sem se envergonharem. “… e viram que estavam nus e coseram folhas de figueiras, e fizeram para si aventais.” Há muitos cônjuges vestindo essas roupas da culpa, do ressentimento, da falta de receber e liberar perdão. E acabam adoecendo por não ter coragem de fazer mudanças.
Deixam de serem transparentes e passam a usar a culpa por seu aliado, como fez o casal que estamos falando, Adão e Eva. Sem a ajuda de ambos os cônjuges e a presença de Deus, não é possível viabilizar aquilo que precisa ser mudado.
Precisamos observar algumas atitudes que ajudarão nesse processo de mudança. Primeiro precisamos nos situar dentro do contexto do casamento. Assumir as responsabilidades que nossa posição requer frente à vida de casados. Reconhecer nossas diferenças e particularidades. Respeitar a individualidade do outro. Reconhecer que não podemos ser bons em tudo, mas dar o melhor em tudo que fazemos.

Maria do Socorro G. Pereira (Esposa do Pr. Elumar Pereira – Diretor do Departamento da Família da AD Mossoró)

Voltar Para Página Anterior

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ – IEADEM

Av. Dix-Neuf Rosado, 155, Centro – Mossoró-RN
CEP 59.610-280 | Fone: (84) 3321-5721
E-mail: contato@admossoro.com.br


© 2018 - Assembleia de Deus em Mossoró. Todos os Direitos Reservados